Bem-vindo ao nosso site

 

NOSSA HISTÓRIA. 

 

 

 

 

Leal de Souza, poeta, escritor e jornalista foi dirigente 

da Tenda Nossa Senhora 

da Conceição, considerada 

por José Álvares Pessoa, 

uma das tendas mestras. 

Numa entrevista publicada 

no Jornal de Umbanda, em 

outubro de 1952, relatou: A 

Linha Branca de Umbanda 

é realmente a Religião Nacional do Brasil, pois que, 

através de seus ritos, os espíritos ancestrais, os pais da 

raça, orientam e conduzem 

suas descendências. O precursor da Linha Branca foi o Caboclo Curuguçu, que trabalhou até o advento do Caboclo das 

Sete Encruzilhadas que a organizou, isto é, que foi incumbido 

pelos guias superiores, que regem o nosso ciclo psíquico, de 

realizar na terra a concepção do Espaço.


No Brasil, também no século XIX, a Umbanda encontrou solo previamente preparado para seu advento. A Proclamação da República (vejam só: a antiga Constituição do Império, de 1824, consignava o Catolicismo como “Religião do Império”), a Abolição da escravatura, a popularidade da doutrina e da prática do Espiritismo foram eventos próximos no tempo e em alguns de seus desdobramentos.


Após a promulgação da Lei Áurea, centenas de escravos se viram ainda mais desvalidos; expulsos das fazendas, ocuparam desordenadamente os sítios urbanos sem nenhuma política de inserção social – sem ter onde trabalhar, onde morar, como subsistir. Um enorme contingente humano, marginalizado, aglomerou-se nos subúrbios, nos embriões das favelas, nas sombras hostis dos cortiços e becos das cidades, juntamente com mestiços e brancos de condição desfavorecida. Nessas comunidades, a miséria moral instalou-se ao lado da miséria material: estava formado o ambiente propício para a disseminação de charlatanismos, feitiçarias, superstições e toda sorte de rituais distorcidos e dirigidos para trabalhos do mal, de prejuízo aos desafetos ou obtenção de bens materiais. Segundo Matta e Silva, “toda essa complexa mistura, que o leigo chama de macumba, baixo espiritismo, magia negra, envolvendo práticas fetichistas e barulhentas ... era a situação existente, quando surgiu um vigoroso movimento de luz, ordenado pelo Astral Superior, feito pelos espíritos que se apresentaram como Caboclos, Pretos Velhos e Crianças”.No Plano Astral, ou na Espiritualidade, como queiram, inúmeros espíritos que foram - em vida terrena - escravos, índios e mestiços almejavam manter intercâmbio com seus irmãos encarnados; a prática do bem, o tratamento dos enfermos, a transformação de sentimentos e pensamentos (aliviar os carentes, encorajar os excluídos, abrandar os endurecidos) eram aspirações que os impeliam ao serviço de caridade. Entretanto, essas entidades não encontravam acolhida ao desenvolvimento de seu trabalho: ou se deparavam com casas voltadas a práticas pouco recomendáveis, ou recebiam o estigma de “manifestações demoníacas” pelos irmãos católicos, ou então eram “convidadas” a se retirarem de centros espíritas: antigos escravagistas e seus descendentes se viam em situação desconfortável perante espíritos de negros e índios que foram por eles aprisionados, torturados (e até mortos) manifestando-se durante os trabalhos espirituais da religião codificada na França e trazida ao Brasil pelo segmento da sociedade brasileira que enriqueceu – direta ou indiretamente - às custas da exploração do trabalho desses irmãos. Orgulho, vaidade e remorso “torciam os bigodes” da nata da sociedade que compunha grande parte das mesas espíritas. Foi nesse contexto que, em atividades mediúnicas sediadas em diversas localidades brasileiras, ocorreram várias manifestações de entidades espirituais anunciando a chegada de um movimento religioso renovador, trazendo um sopro de esperança, amor e fé. A entidade conhecida como Caboclo Curuguçu (ou Curugussu), da linha de Ogum, apresentou-se durante alguns anos, coordenando o trabalho de vários outros colaboradores espirituais que traziam a mesma mensagem. Alguns autores afirmam que o termo “Umbanda” já era citado em algumas dessas comunicações; outros, por sua vez, declaram que, além de anunciar a chegada da Umbanda, o Caboclo Curuguçu dizia ser emissário da raça vermelha “pura”, ou seja, que os caboclos que coordenam o movimento umbandista atual, na Espiritualidade, não são os indígenas da época da colonização ou seus remanescentes, mas espíritos muito evoluídos da antiga raça vermelha, que viveu nesta terra há milênios. Polêmicas à parte, o que provavelmente a Espiritualidade pretendia era preparar corações e mentes para o advento de   uma nova forma de expressão da devoção e da fé.




 Ponto do Caboclo Curuguçu
 

Eu vem lá da Aruanda
 
Trazendo a luz, a luz da Umbanda
 
Eu vem com o clarim de Ogum
 
Anunciar que a Umbanda vai chegar
 
Eu é caboclo de Umbanda
 
Eu vem do Cruzeiro do Sul
 
Eu é caboclo Curuguçu
 
Meu grito já ecoou
 
É a Umbanda que chegou
 
Meu grito ecoou
 
Pai Oxalá quem me mandou
 
Eu é Curuguçu
 
Da corrente de Ogum
Que aqui chegou

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ZÉLIO DE MORAES & BENJAMIN FIGUEIREDO

Segundo os relatos que todos sempre ouvimos, Benjamin Gonçalves Figueiredo recebeu ordens do Caboclo Mirim em 1920, durante uma das sessões espíritas (kardecistas) que a família dele desenvolvia, determinando que aquela seria a ultima sessão espírita da família e que daquele momento em diante eles deveriam trabalhar com Umbanda.
Mas apenas em 1924, Benjamin Figueiredo funda a Tenda Espírita Mirim, quatro anos após ter recebido as ordens do Caboclo Mirim. Por onde esteve Benjamin nesse tempo?

Eu já havia ouvido uma versão que dizia que Benjamin teria freqüentado a Tenda Espírita Nossa Senhora da Piedade (TENSP) dirigida pelo Caboclo das Sete Encruzilhadas, o Sr. Orixá Mallet e Pai Antônio, que trabalhavam através de Zélio Fernandino de Moraes.

Agora, tivemos finalmente a oportunidade de ouvir uma antiga entrevista de Zélio de Moraes, que nos confirma este vínculo entre dois dos mais importantes baluartes da Umbanda, e explicaria o porquê de Benjamin Gonçalves Figueiredo demorar quatro anos para cumprir a ordem do Caboclo Mirim.

Na entrevista, Zélio nos conta que Benjamin passou a freqüentar a TENSP, a fim de se desenvolver na Umbanda, e se preparar para adquirir as condições de trabalho exigidas por Caboclo Mirim na missão que se anunciara.

Ouvimos na fita que, provavelmente ao fim desse período, a entidade Orixá Mallet, incorporado em Zélio, pegou Benjamin e o carregou nas costas por cerca de meio quilômetro, atirando-o na areia da praia. Ali cantou curimbas que ninguém entendia, enquanto Benjamin ia rolando na areia até a beira do mar. Então, colocando-o nos ombros, o Sr. Orixá Mallet adentrou o mar (e ambos não sabiam nadar). No fundo, o atirou ao mar, tendo, logo após o fato, dito a Benjamin Figueiredo que este já estava pronto pra trabalhar plenamente com Caboclo Mirim.

Na gravação há ainda o relato de como Benjamin Figueiredo conheceu outra entidade fundamental em seu desenvolvimento: o querido Pai Roberto. Na Tenda Mirim ouvimos várias vezes este Preto-Velho nos contar que realmente trabalhava muito com feitiçaria, até que Caboclo Mirim desse a oportunidade dele crescer e evoluir dentro da Umbanda. É o que ouvimos, com novos detalhes, o entrevistador Sr. João de Oliveira nos contar.

Ele conheceu a entidade Pai Roberto quando ainda trabalhava com um outro médium no bairro de Alcântara, São Gonçalo/RJ. Lá bebia whisky, fazia feitiçarias e trabalhos de magia... jogava até ponteiras de aço. Certa vez Benjamin estava visitando aquele terreiro, quando ouviu de Pai Roberto, incorporado naquele médium, que ele abandonaria o “cavalo” atual dele e que iria passar a trabalhar através da mediunidade de Benjamin, abandonando então os trabalhos de feitiçaria que fazia através de seu antigo médium, o que de fato ocorreu. Pai Roberto assumiria a partir daquele momento o seu lugar junto a Caboclo Mirim no desenvolvimento da Tenda Mirim.

Irmãos, o som é ruim, mas legível o suficiente para se entender os fatos aqui narrados, descritos a partir dos 17 minutos de gravação. Confiram:

http://registrosdeumbanda.wordpress.com/2010/05/05/a-ligacao-entre-zelio-de-moraes-e-benjamim-figueiredo

 

 O LEGADO DE BENJAMIN FIGUEIREDO -

 

 

UMBANDA: 100 ANOS (1908 - 2008)


- O LEGADO DE BENJAMIN FIGUEIREDO -


INTRODUÇÃO

Escrever sobre Benjamin Gonçalves Figueiredo não é apenas falar do homem e do médium, porque sua vida se mistura com a mensagem e com a obra de seu mentor espiritual, um dos mais importantes dirigentes espirituais da Umbanda: o magnífico Caboclo Mirim. Ambos serão para sempre um exemplo edificante de amor ao próximo e de luta pela dignidade do culto umbandista.

Em um momento histórico-cultural difícil para a Umbanda, Benjamin Figueiredo foi um dos principais expoentes no movimento pela evolução do culto e pelo reconhecimento das casas umbandistas junto às autoridades de seu tempo, estando lado a lado de alguns dos incansáveis guerreiros dos primeiros anos da nossa querida Umbanda, tais como Zélio Fernandino de Moraes, Domingos dos Santos, João Carneiro de Almeida, José Álvares Pessoa, Manoel Nogueira Aranha, João de Freitas, Cavalcanti Bandeira, Cícero Bernardino de Melo, Narciso Cavalcanti, Félix Nascente Pinto, Jerônimo de Souza, Henrique Landi Júnior, Matta e Silva, Tancredo da Silva Pinto, Átilla Nunes (pai), Omolubá, Flavio da Guiné, dentre outros.

 


Por toda uma vida voltada à unificação dos umbandistas, Benjamin Gonçalves Figueiredo deixou registrada em nossa memória as lembranças do incansável líder, do médium admirável de Caboclo Mirim e de Pai Roberto e do homem cuja integridade e ideais em muito superaram os seus dias, nos trazendo até os dias de hoje os ecos de uma bela mensagem de fé e de determinação em tirar a Umbanda da marginalidade a qual esteve relegada pela sociedade brasileira até meados do século passado.


A ANUNCIAÇÃO DA UMBANDA

Há cerca de 20 anos após a proclamação da República, a sociedade brasileira vivia profundas transformações, ainda em busca de sua personalidade, de sua “brasilidade”. No mundo das artes, por exemplo, um grupo de artistas revolucionava a estética e a linguagem na Semana de Arte Moderna de 1922. Esse sentimento nacionalista viria também a se manifestar na política, com a ascensão de Getulio Vargas ao poder, já na década de 1930. Era o fim da hegemonia da elite agrária e a implantação do Estado Novo.

A característica mestiça da população brasileira passava a ser valorizada, tida como forma de união da nação. Por essa visão, os vários grupos raciais ganhavam igual importância na formação da civilização brasileira. Esta ideologia ajudou na crença de que o preconceito racial não existia no Brasil. Gilberto Freyre, em seu livro "Casa Grande e Senzala" (1933), foi um dos intelectuais que deram suporte a tal tese.

Até o samba, manifestação cultural oriunda da cultura negra brasileira, era redescoberto e reformatado, levado a um universo mais amplo: brilhava a estrela de Carmem Miranda!

 

 

 

E dentro deste contexto nacional, um fato marcante, para aqueles que se propõe a estudar as origens da Umbanda, veio a consolidar-se como o marco inicial da religião: a famosa manifestação do Caboclo das Sete Encruzilhadas em 1908, através do seu médium Zélio Fernandino de Moraes (1891-1975), na cidade de Niterói, então capital do antigo estado do Rio de Janeiro. A data, 15 de novembro, é a mesma da comemoração da proclamação da República brasileira. Coincidência?

 


Diante de uma respeitada e organizada Federação Espírita Brasileira, Caboclo das Sete Encruzilhadas pôde deixar registrada a definição do novo movimento religioso: "Uma manifestação do espírito para a caridade”. Caridade, a principal lei da Umbanda, religião do amor fraterno em benefício dos irmãos encarnados, qualquer que fosse a cor, a raça, o credo e a condição social.

Sabe-se que aquela não foi a primeira manifestação mediúnica de um espírito com perfil de um índio brasileiro, uma vez que desde o final do século XIX há registro da presença destes em pequenos terreiros, espalhados à margem da sociedade daqueles dias, as ditas “macumbas cariocas”. Mas o advento do Caboclo das Sete Encruzilhadas foi realmente especial por diversos aspectos. No início do século XX, “macumba” podia facilmente definir toda e qualquer relação mediúnica (geralmente promíscua) de curandeiros, pais-de-santo, feiticeiros, charlatões, e todos aqueles que se dispunham a intervir junto às forças invisíveis do além apenas em troca de dinheiro e poder, como bem descreve Paulo Barreto em 1904, sob o pseudônimo de “João do Rio”, no livro “As Religiões no Rio”:

“Vivemos na dependência do Feitiço, dessa caterva de negros e negras de babaloxás e yauô, somos nós que lhes asseguramos a existência, com o carinho de um negociante por uma amante atriz. O Feitiço é o nosso vício, o nosso gozo, a degeneração. Exige, damoslhe; explora, deixamo-nos explorar e, seja ele maitre-chanteur, assassino, larápio, fica sempre impune e forte pela vida que lhe empresta o nosso dinheiro.”

Daí percebe-se a grandeza da missão do Caboclo das Sete Encruzilhadas como mensageiro das diretrizes da mais altas esferas da espiritualidade. Sua presença e sua mensagem eram muito claras: uma nova legião de entidades iluminadas trabalharia pela elevação moral e espiritual do nosso povo, sob a inspiração de Cristo-Oxalá. Era o nascimento da Umbanda!

Desta forma entendemos porque, em 12 de março de 1920, outro jovem médium viria a ser o veículo de mais um iluminado Mestre, que também se utilizando da roupagem fluídica de um índio brasileiro, veio ratificar a mensagem de humildade e caridade da Umbanda.

 


Vinha ensinar a prática da mediunidade em sintonia e respeito à natureza e ao livre-arbítrio do praticante, na plenitude da “Escola da Vida”.

Assim, Caboclo Mirim se manifestava pela primeira vez naquele que seria seu companheiro de uma vida:Benjamin Gonçalves Figueiredo (26/12/1902 - 03/12/1986).


A TENDA ESPÍRITA MIRIM EM 1924

Benjamin Gonçalves Figueiredo, então com dezessete anos, participava com sua família de sessões espíritas (kardecistas) até que, em março de 1920, em uma dessas reuniões, Caboclo Mirim incorporou o jovem médium e anunciou que aquela seria a última sessão de Kardec realizada por aquela família e que as próximas passariam a ser de Umbanda, religião apresentada apenas há pouco mais de dez anos.

A partir de então, toda a família Figueiredo viu-se envolvida na formação daquele que seria um dos mais importantes núcleos umbandistas do Brasil. Aos 13 dias do mês de março do ano de 1924 considerou-se fundada a Tenda Espírita Mirim. Desde o início Caboclo Mirim advertiu que aquela seria uma Organização única no gênero em todo o Brasil, cujo método seria adotado por outras Tendas, até mesmo em outros Estados da Federação.

De fato, o ritual da Tenda Mirim sempre se destacou no meio umbandista por trazer influencias de correntes filosóficas que vão desde o Ocultismo e a Teosofia 
ao Espiritismo de Kardec. Caboclo Mirim aboliu do seu culto diversos elementos que estavam intimamente ligados à noção de que se tinha das “macumbas” e feitiçarias reinantes naqueles tempos, bem como alguns outros também relacionados ao culto católico e à cultura africana, em especial.

Ainda como parte da ruptura com outras religiões, nos terreiros orientados por Caboclo Mirim não se encontravam altares com as imagens católicas, apenas a de Jesus Cristo situado acima da altura da cabeça dos médiuns, onde se lia a inscrição “O Médium Supremo”. Os atabaques foram trocados por enormes tambores (tocados sentados), toalhas-de-guarda e as vestes rendadas coloridas, típicas da Bahia, deram lugar aos brancos uniformes e calçados, sempre sóbrios, como a lembrar a seus médiuns que todos eram apenas operários da fé, ou melhor, “Soldados de Oxalá”, como na letra de um belo hino da Tenda Mirim. Nenhum ornamento, nem guias, colares ou qualquer tipo de ostentação pessoal era aceita. Antes da abertura dos trabalhos, era até difícil ao visitante reconhecer os dirigentes dentre os demais médiuns da Casa.

Foi um primeiro passo em busca de uma identidade própria para a Umbanda, buscando-se dignificar o culto e seus participantes, tendo como base a organização e a disciplina do conjunto do corpo mediúnico da casa umbandista. Percebe-se ainda a nítida influência do movimento positivista daqueles tempos, através de uma certa rigidez hierárquica e disciplinar no terreiro, o que aliás, atraiu muitos médiuns militares para as fileiras das casas sob a orientação de Benjamin Gonçalves Figueiredo.

Caboclo Mirim introduziu também o conceito de graduação aos seus médiuns em desenvolvimento, com uma classificação própria para cada um nos trabalhos de atendimento público. Foi, talvez, a primeira Escola de Formação Iniciática Umbandista!

O novo adepto da religião iniciava seu desenvolvimento mediúnico na base da pirâmide hierárquica do terreiro, e ia ascendendo nela conforme em seu próprio ritmo, levando-se em conta a seriedade e a dedicação do neófito, e sempre de acordo com a intensidade e a qualidade com que seus próprios Guias trabalhavam junto ao médium.

Com isso, durante seu desenvolvimento, o médium exercitaria várias funções dentro dos trabalhos de caridade. A nomenclatura dos sete graus foi baseada na terminologia da língua Nheêngatú, da antiga raça dos índios Tupy. Assim ficaram classificados:

 

· 1º Grau: Bojámirins - Entidades dos médiuns Iniciantes (I)
· 2º Grau: Bojás - Entidades dos médiuns de Banco (B)
· 3º Grau: Bojáguassús - Entidades dos médiuns de Terreiro (T)
· 4º Grau: Abarémirins - Entidades dos Sub-Chefes de Terreiros (SCT)
· 5º Grau: Abarés - Entidades dos Chefes de Terreiros (CT)
· 6º Grau: Abaréguassús - Entidades dos Sub Comandantes Chefes de Terreiros (SCCT)
· 7º Grau: Morubixabas – Entidades dos Comandantes Chefes de Terreiros (CCT)

 

A liturgia aplicada nos terreiros também introduzia novos conceitos à fé umbandistas. Caboclo Mirim sintetizou o tradicional panteão africano em algumas linhas de trabalho sob a égide de Tupã, o Senhor da criação na cultura Tupi-Guarani. Os Orixás evocados nos trabalhos da Tenda Mirim eram: Oxalá, Oxossi (e Jurema), Ogum, Iemanjá, Oxum, Nanã, Iansã e Xangô. Sempre se evitando o sincretismo com os santos católicos, principalmente nas curimbas cantadas.

As manifestações mediúnicas davam-se sempre através dos Caboclos, Pretos-Velhos e as Ibeijadas (crianças), e não havia sequer uma saudação aos Exus e Pomba-Giras, muito menos uma Gira ou sessão própria para o trabalho destes. Certamente uma atitude que visava ratificar a ruptura da Umbanda com as populares “macumbas”. Para muitos, Benjamin Figueiredo parecia ignorar completamente a existência do “Povo da Rua”, bem como a extensão e a importância dos trabalhos próprios dessa linha. Benjamin parecia ignorar, perante os olhares menos atentos...

Realmente, nos tempos de Benjamin Figueiredo, as casas ligadas à Tenda Mirim não faziam Giras próprias de Exu e Pomba-Gira. Mas sua participação sempre foi fundamental na corrente astral da Casa.

Com um olhar mais apurado observava-se a presença do “Povo da Rua” auxiliando desde o desenvolvimento dos médiuns iniciantes bem como trabalhando pesado no descarrego de médiuns e consulentes. Mas sempre de uma forma extremamente discreta, fosse junto aos Caboclos e Pretos-Velhos, fosse junto à parte do corpo mediúnico denominados “médiuns de banco”. Essa categoria de médiuns tinha como principal característica operar sempre sentado e de forma receptiva (ou passiva), em contraponto aos médiuns de terreiro incorporados com seus Caboclos, que ministravam o passe no consulente, de forma ativa. Os médiuns de banco se doavam fornecendo ectoplasma e também auxiliando na dispersão de energias maléficas e/ou miasmas, bem como na condução de almas sofredoras ou espíritos trevosos (“exunizados”).

Este era o trabalho fundamental das sessões de caridade sob a orientação de Caboclo Mirim.

Daí percebe-se que só com a segurança dos sempre alertas Exus e Pomba-Giras, em total sintonia e cooperação com as demais entidades presentes, se alcançava o pleno êxito em cada sessão.

Além das sessões de caridade, outro evento importante sob a direção de Caboclo
 Mirim eram as magníficas Giras mensais. Em seu enorme terreiro (20 x 50 metros), inaugurado em 1942, cerca de 2000 (dois mil!) médiuns da Tenda Mirim, suas filiais e Casas co-irmãs, confraternizavam com seus Caboclos e Pretos-Velhos em uma só poderosa vibração de amor aos Orixás e à Umbanda.

A partir dos anos 50, com um trabalho já bem consolidado na sua matriz no Rio de Janeiro, Caboclo Mirim responsabilizou vários médiuns a levar as Tendas de Umbanda ao longo de todo território nacional. A primeira casa descendente da Tenda Mirim foi criada em 30/06/1951, como filial, em Queimados, cidade de Nova Iguaçu. Depois desta, novas casas foram abertas em Austin, Realengo, C

Falando sobre mediunidade

O médium folgado

18/03/2012 12:03
  O médium folgado Médium folgado aparece de vez em quando. É o último a chegar e o primeiro a ir embora. Sempre com uma boa desculpa na ponta da língua. Chega no templo, troca de roupa, põe a fofoca em dia e vai para corrente. Corpo físico e vaidade presentes, espírito e...

A Umbanda que eu amo !

30/04/2011 22:11
    A UMBANDA QUE EU AMO Amigos, em meio a tantas discussões quero deixar aqui um registro de como é a Umbanda que conheci, aprendi, pratico e tento passar a aqueles que me acompanham. A Umbanda que pratico e tento ensinar, é pura e simples, sem conceitos cósmicos e metafísicos, sem...

MusicPlaylistView Profile
Create a playlist at MixPod.com

Novidades

Essa Leitura Eu Indico - A HISTÓRIA DE PAI INÁCIO

15/06/2011 17:22

 

Por  Anna Ponzetta - Todos temos uma história. Nascer, viver, morrer e nascer novamente é a roda da vida.Quem de nós conhece sua vidas passadas? Quem pode afirmar os porquês dos nossos sofrimentos, das dores, das doenças? Só há uma certeza: somos a colheita da semeadura de outrora. Esta abordagem, ainda tão mal compreendida no dia-a-dia, quando estamos aprisionados num corpo de carne, é aqui tratada com clareza por Pai Inácio, entidade atuante na seara espírita que utiliza a roupagem perispiritual de um preto velho nos trabalho de umbanda. Nessas idas e vindas de suas reencarnações, da soberba `a humildade, ele trilhou um árduo e pedregoso caminho: fez muitos sofrerem, reincidiu ns erros, desesperou-se, e somente depois de muito sofrer para conseguir sair da escuridão do mais denso umbral é que conheceu o amor verdadeiro e que se une as almas na eternidade. Relatando suas ricas experiências de espírito endividado, Pai Inácio nos ensina com riqueza de detalhes que nada passa despercebido perante às leis divinas.

A historia da Umbanda Uma religião Brasileira

01/05/2011 09:42

 

O tempo é muito limitante, mas quando lemos algo com real prazer, conseguimos horas, que passam céleres, para absorvermos e vivermos junto com as palavras grafadas de livros escritos com a alma.

Esse é um magnífico trabalho de revisão bibliográfica, onde o autor não se perde nenhuma só vez, não se distrai ao mostrar os dados históricos, e ao mesmo tempo denota-se a dedicação, a entrega, a obstinação em cumprir a missão, que ao nosso ver, foi atingida com êxito total.

Vale a pena ler esta obra.Paravocê que quer entender tudo sobre a Umbanda Eu recomendo!!

Ney Rodrigues,

Nosso site esta no Ar

30/04/2011 21:51

 Tendo como base organizacional e ideais a Escola do Caboclo Mirim. Nosso objetivo é levar o conforto , o carinho, o amor e a caridade que essa nossa tão grandiosa e estimada UMBANDA , oferece aos seus filhos de fé. Saravá Umbanda!!!!

Itens: 1 - 3 de 3

Festa de Pretos Velhos 2010 (Cantinho dos Irmãos Caboclos) Situado no Bairro da Abolição - Rio de Janeiro

<